Preocupações a nível logístico no setor da saúde

Blog

Preocupações a nível logístico no setor da saúde
26-11-2015 às 17:11

A logística desempenha um papel importantíssimo no mundo atual, pois sem esta nunca teríamos a possibilidade de recorrer a bens produzidos a milhares de quilómetros de distância em tempo útil.

Apesar de a logística ser importante nas mais diversas áreas, quando falamos na logística ligada ao setor da saúde, o tema ganha outra dimensão!

A velocidade, eficiência e segurança no armazenamento e transporte destes bens essenciais, desde a fábrica até ao paciente, colocam uma pressão muito elevada na cadeia de abastecimento das empresas ligadas a este setor. De forma a compreender as suas necessidades, a UPS realizou o 2015 Pain in the (Supply) Chain.

O estudo

Este estudo, desenvolvido em colaboração com a TNS entre abril e junho de 2015, contou com a participação de 421 empresários ligados ao setor logístico da saúde. O estudo permitiu concluir que para os executivos do setor da saúde a nível internacional, as maiores preocupações em relação à cadeia de abastecimento são:

- Segurança do produto;
- Cumprimento da legislação;
- Danos e deterioração do produto;
- Gestão dos custos.

De realçar que face ao estudo anterior, constatou-se que os responsáveis de logística têm feito um esforço para melhorar e resolver muitos destes pontos críticos da cadeia de abastecimento.

Segurança do produto

Relativamente à segurança do produto durante o transporte, 75% dos entrevistados afirmaram ter corrigido e melhorado os mesmos, tendo ocorrido um aumento de 20% face ao ano anterior.

Segundo estes, os principais motivos que levaram a um aumento da segurança, foi a aposta em tecnologia, como a inserção de códigos de barras e a cooperação com as forças de segurança.

Cumprimento da legislação

Comparativamente a 2014, em que apenas 57% dos entrevistados afirmava terem conseguido uma maior eficiência ao lidar com questões de regulação e legislação, no presente ano o número subiu para 70%.

Neste caso 55% dos entrevistados apontaram as parcerias com empresas logísticas espacializadas, como o ponto fulcral para cumprirem com a legislação, uma vez que estas dominam a legislação nos países em que atuam.

Danos e deterioração do produto

Em 2015, 63% dos entrevistados afirmaram terem melhorado na vertente dos danos e detioração dos produtos. Sendo que os principais fatores apontados são a criação de parcerias com empresas de logística de elevada qualidade que possuem um lead time inferior e para além disso contam com dispositivos de controlo de temperatura.

No entanto, a proteção física contra roubos e as várias mudanças de operadores ao longo da cadeia de abastecimento continuam a ser os maiores desafios no que diz respeito à segurança do produto transportado.

Gestão dos custos

Apenas 50% dos empresários referiu ter melhorado ao nível da gestão de custos, no entanto, esse número aumentou 12% num ano.

Para mais de metade dos inquiridos (56%), o maior desafio para uma correta gestão de custos é o rápido crescimento do negócio, uma vez que não permite olhar para o tema com a devida atenção. Mais uma vez as parcerias com empresas logísticas apresentam-se como uma boa forma de controlar os custos.

Publicidade

Leia também

O governo americano aprovou recentemente a lei Customs Reauthorization Bill, também conhecida como a Lei de Facilitação e Reforço do Comércio de 2015, com efeitos a partir de 10 março de 2016.

Nos últimos anos o comércio online tem vindo a crescer imenso e, por conseguinte, tem-se registado cada vez mais uma maior apetência dos consumidores para comprar a nível global e não local.