ID LOGISTICS ABRE NOVA PLATAFORMA EM AZUQUECA DE HENARES PARA GRANDE CONSUMO

Notícias

ID LOGISTICS ABRE NOVA PLATAFORMA EM AZUQUECA DE HENARES PARA GRANDE CONSUMO
13-09-2019 às 10:09

A ID Logistics, operador logístico internacional, iniciou operações na nova plataforma de 13 000m², localizada em Azuqueca de Henares (Guadalajara). Este novo armazém, destinado especialmente a clientes de grande consumo, complementará os armazéns já existentes na zona de Guadalajara, localizados em Cabanillas del Campo e Alovera.

A nova plataforma de Azuqueca de Henares emprega 70 pessoas, de forma permanente, e possui 20 docas de carga e descarga. Esta inauguração representa mais uma etapa no compromisso da ID Logistics para como os centros operacionais multicliente especializados em setores específicos. A nova plataforma de Azuqueca de Henares aumenta para mais de 250 000m² a superfície de armazéns que operam com este modelo na zona do Corredor Henares. A partir destes centros serão prestados serviços de armazenamento, manuseamento, gestão de stock, transporte e distribuição nacional. Não apenas para o setor de grande consumo, mas também para o setor farmacêutico e eletrónico de grande consumo.

A nível ibérico, a ID Logistics possui já mais de 1 150 000m² em armazéns, reforçando a sua liderança como operador logístico em Portugal e Espanha. “A abertura desta nova plataforma permite-nos continuar a crescer no setor de consumo e a fortalecer o nosso compromisso com a qualidade, a rapidez e a excelência do serviço prestado. Resultado deste desenvolvimento é a abertura desta nova plataforma que já esta operacional e integrada na nossa rede de distribuição”, refere Alberto Garcia de Castro, Diretor de Desenvolvimento de Negócios.

Publicidade

Leia também

As empresas vão passar a pagar tributação autónoma em todos os derivados de passageiro e veículos N1 a partir de 2015. A medida estende-se a todos os ligeiros de mercadorias e mistos que não estejam abrangidos pelas taxas mínimas.

A administração do porto da Figueira (em conjunto com a Câmara Municipal, Comunidade Portuária e agentes económicos), está a procurar “enquadramento” para que o porto seja contemplado com verbas do novo Quadro Comunitário de Apoio (QCA). «É algo que nos preocupa, mas acreditamos que a Figueira não fique de fora», disse o presidente do conselho de administração. José Luís Cacho salientou que, neste momento, o porto «não tem acesso ao Corredor Atlântico e é importante que possa aceder a essas verbas», e por isso, adiantou, «estamos a trabalhar numa estratégia integrada». Até porque, «as grandes obras foram feitas, com investimentos avultados, mas o porto tem que estar sempre a fazer investimentos e a garantia de acesso económico é fundamental para o seu desenvolvimento».